Doenças Autoimunes: Sintomas e Opções de Tratamento

Já se questionou por que, às vezes, nosso próprio corpo decide atacar nossos órgãos e tecidos? É como se nosso sistema de defesa estivesse se voltando contra nós mesmos. Isso acontece em doenças chamadas autoimunes. Elas afetam muita gente e são bem complicadas. Tem o lúpus, artrite reumatoide e várias outras.

Mas entender o que causa essas doenças e como elas funcionam é super importante. É o primeiro passo para lidar com elas e até mesmo evitar os sintomas ruins. Neste artigo, vamos falar sobre as doenças autoimunes de um jeito fácil de entender. Fique ligado que você vai aprender muita coisa útil!

Entendo as doenças autoimunes

Existem mais de 80 doenças autoimunes conhecidas. No Brasil, cerca de 30 milhões de pessoas estão sob risco de doenças autoimunes. Embora cada doença seja única, todas compartilham uma característica comum: uma resposta imunológica descontrolada que leva o sistema imunológico a atacar os próprios tecidos do corpo.

Algumas dessas condições têm como alvo órgãos ou tecidos específicos, como a pele, o coração ou os vasos sanguíneos. Outras são mais generalizadas, afetando múltiplos sistemas de tecidos ou órgãos em todo o corpo.

Veja alguns exemplos de doenças autoimunes específicas de órgãos comuns:

Diabetes tipo 1: Essa doença afeta o pâncreas e resulta na incapacidade de produzir insulina adequadamente.

Doenças inflamatórias intestinais (como doença de Crohn e colite ulcerativa): Essas condições afetam o trato digestivo.

Esclerose múltipla: Uma doença que afeta o cérebro e a medula espinhal.

Além disso, existem condições autoimunes sistêmicas que afetam vários sistemas do corpo, como:

Lúpus eritematoso sistêmico (LES): Uma doença que pode afetar vários órgãos e tecidos.

Síndrome de Sjögren: Impacta as glândulas responsáveis pela produção de saliva e lágrimas.

Esclerodermia: Uma condição que afeta os tecidos conjuntivos em todo o corpo.

Sintomas e Causas

Doenças Autoimunes: Sintomas e Opções de Tratamento

O que causa doenças autoimunes?

A causa precisa das doenças autoimunes é desconhecida. No entanto, existem fatores de risco que podem aumentar suas chances de desenvolver uma doença autoimune. Os fatores de risco incluem:

  • Alguns medicamentos. Converse com seu médico sobre os efeitos colaterais de medicamentos para pressão arterial, estatinas e antibióticos.
  • Ter parentes com doenças autoimunes. Algumas doenças são genéticas – elas ocorrem em famílias.
  • Tabagismo.
  • Já possuir uma doença autoimune aumenta o risco de desenvolver outra.
  • Exposição a toxinas.
  • Ser do sexo feminino – 78% das pessoas que têm uma doença autoimune são mulheres.
  • Obesidade.
  • Infecções.

Quais são os sintomas das doenças autoimunes?

Os sintomas categorizados por tipo de doença incluem:

Doenças das articulações e músculos:

  • Dores musculares e desconfortos.
  • Dor, rigidez e inchaço nas articulações.
  • Fraqueza muscular.
  • Inflamação.

Doenças do trato digestivo:

  • Inchaço.
  • Constipação.
  • Dor abdominal.
  • Refluxo ácido.
  • Náusea.
  • Sensibilidades alimentares.
  • Sangue ou muco nas fezes.

Doenças da pele:

  • Erupções cutâneas.
  • Coceira.
  • Olhos secos.
  • Boca seca.
  • Inflamação.
  • Perda de cabelo.
  • Pele seca.

Doenças do sistema nervoso:

  • Tontura.
  • Dores de cabeça.
  • Ansiedade e depressão.
  • Confusão e dificuldade de pensar.
  • Visão embaçada.
  • Insônia.
  • Problemas de memória.
  • Enxaquecas.
  • Tonturas.
  • Formigamento e dormência.

Outras doenças:

  • Fadiga.
  • Dor.
  • Febre.
  • Dor no peito.
  • Glândulas inchadas.
  • Ganho ou perda de peso.
  • Batimento cardíaco rápido ou irregular.
  • Falta de ar.
  • Sensibilidade à temperatura.

Doenças Autoimunes: Sintomas e Opções de Tratamento

Doenças autoimunes: tratamentos

O objetivo principal do tratamento é controlar a resposta imunológica e gerenciar os sintomas. Embora não haja cura permanente, várias abordagens podem ajudar a melhorar a qualidade de vida para aqueles afetados.

Terapias de venda livre (OTC)

Medicamentos anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs): Esses medicamentos de venda livre ajudam com inflamação, inchaço, rigidez, febre e dor. Exemplos comuns incluem aspirina, ibuprofeno, paracetamol e naproxeno. Seu médico pode recomendar medicamentos de venda livre específicos com base em sua condição.

Medicamentos sob prescrição

Terapias imunossupressoras: Esses medicamentos suprimem o sistema imunológico para gerenciar condições autoimunes. Exemplos incluem:

Corticosteróides: Usados para controlar a inflamação.

Metotrexato: Muitas vezes prescrito para artrite reumatoide e psoríase.

Azatioprina (Imuran): Ajuda a prevenir a rejeição de órgãos após transplantes.

Hidroxicloroquina (Plaquenil): Usada para erupções cutâneas e outros sintomas.

Ciclofosfamida (Cytoxan): Pode ser usada em casos graves.

Medicamentos antirreumáticos modificadores da doença (DMARDs): Estes retardam a progressão das doenças autoimunes.

Imunoglobulina intravenosa (IVIG): Estimula o sistema imunológico.

Medicamentos antimaláricos: eficazes para erupções cutâneas e outros sintomas.

Anticoagulantes: Previnem coágulos sanguíneos.

Esteróides: Ajudam a gerenciar sintomas como dor, inchaço ou sensibilidade.

Mudanças no estilo de vida

Dieta: Embora não seja um tratamento direto, uma dieta equilibrada pode apoiar a saúde geral e a função imunológica. Algumas pessoas encontram alívio evitando alimentos específicos.

Gerenciamento do estresse: O estresse crônico pode tornar mais intensos os sintomas autoimunes. Práticas como meditação, yoga e técnicas de relaxamento têm o potencial de proporcionar alívio.

Exercício regular: A atividade física pode melhorar o bem-estar geral e reduzir a inflamação.

Medicina complementar e alternativa (CAM)

Acupuntura: Alguns estudos sugerem que pode ajudar a controlar a dor e a inflamação.

Suplementos Herbais: Consulte um provedor de saúde antes de usar qualquer remédio herbal.

Tratamentos experimentais

Os pesquisadores estão continuamente explorando novas terapias, incluindo biológicos direcionados e tratamentos com células-tronco. Estes são frequentemente usados em ensaios clínicos.

Conclusão

Embora as doenças autoimunes possam apresentar desafios significativos, é fundamental entender que há uma variedade de opções de tratamento disponíveis para gerenciar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.  Desde terapias medicamentosas até mudanças no estilo de vida e medicina complementar, é possível encontrar estratégias eficazes para lidar com essas condições.

O apoio de profissionais de saúde e o acesso a informações precisas são fundamentais para enfrentar esse cenário. Lembre-se sempre de buscar orientação médica adequada e manter-se informado sobre os avanços no tratamento das doenças autoimunes.

Obs. : As informações apresentadas neste artigo não devem ser utilizadas para realizar autodiagnóstico ou automedicação. Recomenda-se sempre consultar um médico para obter orientação profissional sobre sua saúde.

Leia mais: