Um empregado do McDonald’s com síndrome de Down aposenta-se depois de ter distribuído sorrisos aos clientes por mais de 30 anos

Não é nada fácil encontrar emprego, quanto mais ter sucesso e ficar na mesma empresa durante toda a vida, mas ainda há alguns casos assim.

Um exemplo disso é Russell O’Grady, um homem com 50 anos, portador de síndrome de Down, que conseguiu aposentar-se após trabalhar mais de 30 anos no McDonald’s.Resultado de imagem para mcdonald's worker with down syndrome retires after 32 years

Com 18 anos, em 1984, Russell entrou pela primeira vez numa loja do McDonald’s, em Northmead, a oeste de Sydney, para iniciar um estágio organizado pelo Jobsupport, uma iniciativa do governo australiano para ajudar pessoas com deficiências intelectuais a arranjar emprego.

Para essas pessoas conseguirem as mesmas oportunidades que as outras, é muito difícil, mas Russell teve bastante sorte.

Contudo, a empresa foi quem mais ganhou com sua colaboração, pois contou com um empregado dedicado, fiel ao seu dever e sempre bem-disposto ao serviço durante três décadas.

Russell deu sempre o seu melhor, de tal forma que no final do estágio a empresa resolveu torná-lo efetivo. A partir daí, Russell passou mais 32 anos trabalhando no McDonald’s, fazendo de tudo um pouco: limpeza, atendimento ao cliente, confecções das caixas para as festas, cozinha, entre outras tarefas.

Courtney Purcell, o seu supervisor, disse que Russell se tornou um ícone para os clientes, e muitos vinham de longe apenas para o conhecer.Resultado de imagem para Russell O’Grady

“Temos clientes regulares que vêm ver Russell. Sentiremos a sua falta”, disse Purcell, garantindo que Russell sempre foi responsável e muito gentil com todas as pessoas.

Todos os colegas atestam o mesmo, enfatizando que Russell é um verdadeiro exemplo a seguir, o que deixou a sua família cheia de orgulho. “Ele ama muito o seu trabalho, às vezes é ousado, mas é o meu irmão mais velho e me mantém na linha”, disse o irmão Lindsey. Até mesmo o padre Geoff elogiou Russell: “ele é muito carinhoso, amado e apreciado por todos”.

Ter conseguido um emprego estável e ser valorizado pelo trabalho foi ótimo no desenvolvimento de Russell, e levou-o a ver as coisas de forma diferente. “Um dia perguntaram-lhe se ele era deficiente, e ele respondeu que era quando foi para a escola, mas que agora trabalhava no McDonald’s”, contou o pai.

Embora tenha adorado os 32 anos trabalhando no McDonald’s, Russell sentiu que estava no momento de se aposentar.