Tudo que você precisa saber sobre a escarlatina: Causas, sintomas e tratamento.

Fonte: Reprodução/Google

Escarlatina é uma doença infectocontagiosa aguda, provocada pela bactéria Estreptococo beta hemolítico do grupo A, que acomete especialmente as crianças em idade escolar, durante a primavera.

A escarlatina não é considerada grave, mas existe a possibilidade de apresentar complicações. Portanto, requer atenção médica imediata. Atualmente, pode ser curada com relativa facilidade se for tratada a tempo.

A escarlatina também é conhecida como febre escarlate. É uma doença que afeta principalmente crianças entre 5 e 12 anos de idade. No entanto, qualquer pessoa pode contrair a doença na idade adulta.

Causas:

A escarlatina é contraída pelo contato. Geralmente, é transmitida por outra pessoa infectada, especificamente com secreções do nariz ou da garganta. Isso ocorre quando essa pessoa tosse ou espirra, por exemplo. Pode até acontecer quando fala e cospe saliva ao fazê-lo.

O contagio também ocorre quando uma criança come nos mesmos recipientes de alguém que foi infectado com o estreptococo do grupo A. Da mesma forma, a escarlatina é transmitida quando se entra em contato com feridas na pele causadas pela doença.

Sintomas:

O tempo que decorre entre o momento da infecção e o aparecimento dos primeiros sintomas é muito curto. Em geral, eles apenas demoram de 1 a 2 dias para se manifestar. A primeira coisa que se sente é febre alta que vai baixando aos poucos nos dias subsequentes até desaparecer; e dor de garganta.

Depois disso, a bactéria libera uma toxina. Como resultado, as erupções cutâneas começam a aparecer na pele. Elas são avermelhadas e inicialmente se manifestam no pescoço e no tórax. Depois se espalham por todo o corpo, por cerca de uma semana.

Além das feridas, há também uma vermelhidão nas dobras da pele, como axilas, cotovelos, virilha, etc. A língua fica mais vermelha e inflamada, mas tem um revestimento esbranquiçado. Também é comum ter calafrios, dor abdominal, vômitos, dor muscular e mal-estar.

É importante levar em conta que um paciente com escarlatina terá dificuldade em comer, devido à condição da língua e garganta, por isso recomenda-se alimentos macios e líquidos em abundância. Por outro lado, também é recomendado colocar a criança em um ambiente fresco.

Diagnóstico:

O diagnóstico é basicamente clínico, mas alguns exames laboratoriais, como o de cultura e o teste rápido de pesquisa do estreptococo na garganta, ajudam a identificar a bactéria e estabelecer o diagnóstico diferencial, porque há outras doenças com sintomas semelhantes.

Diagnóstico precoce e início imediato do tratamento são fundamentais para evitar complicações graves da doença, entre outras, a meningite, o reumatismo infeccioso e a glomerulonefrite.

Prevenção e tratamento:

A melhor forma de prevenir a doença é evitar o contato com pessoas infectadas. Sempre é bom lembrar que portadores assintomáticos do estreptococo podem transmitir a bactéria. Penicilina é o medicamento indicado para o tratamento da escarlatina. Pacientes alérgicos a essa droga podem recorrer a antibióticos, especialmente à eritromicina. Analgésicos e antitérmicos são úteis para alívio dos sintomas.

Recomendações:

Leve a criança ao médico para esclarecer o diagnóstico sempre que apresentar mal-estar, dor de garganta e febre; Mantenha o doente em casa, em repouso enquanto o quadro não regredir completamente; Ofereça-lhe alimentos leves, fáceis de engolir e muito líquido; Fique atento: criança com escarlatina que não for tratada adequadamente está sujeita a complicações graves que se manifestam quando a doença parece curada.

Obs: Este site fala de tratamentos naturais alternativos. Portanto, não substitui um especialista. Visite o seu médico regularmente.