Professor brasileiro enfrenta água até o pescoço para imprimir atividades escolares para alunos indígenas

O professor Telmo Ribeiro, 48 anos, é formado em comunicação e arte pela Universidade Federal de Roraima (UFRR) e leciona na escola indígena Presidente Afonso Pena, em Normandia, ao Norte de Roraima.

Ele contou, ao G1, as dificuldades que ele e outros cinco professores enfrentam para providenciar as lições a 88 alunos do estabelecimento.

Foto: Arquivo Pessoal/Telmo Ribeiro

Segundo Telmo, a cada 15 dias precisa se deslocar 30 km para imprimir as atividades escolares para os alunos.

E para isso precisa usar moto, bicicleta, caminhar, atravessar estradas alagadas e igarapés.

“Para imprimir as atividades a gente vai de moto até o igarapé cheio. Chegando lá tem que procurar um meio para atravessar sem molhar o material dos alunos. Do outro lado, pega a bicicleta, depois larga e vai caminhando pela estrada submersa pela água. Ainda corremos risco com animais como jacarés e cobras”, disse ao G1.

Foto: Reprodução/Instagram/Glycya

Ao retornar, enfrenta as mesmas dificuldades. Os professores atendem crianças e adolescentes indígenas do 6º ao 9º da reserva Raposa Serra do Sol.

A jornada dos professores envolve, além de entregar o material, explicar as diversas atividades a todos os alunos.

“Para atendê-los passamos o dia inteiro. Saímos da escola às 7h e retornamos às 17h ou 18h”.

* Todas as informações são do G1