Os filhos precisam de brinquedos, não de tablets e celulares

Segundo um estudo científico prestigioso publicado em dezembro de 2018 pela Academia Americana de Pediatria, a utilização de celulares, tablets e quaisquer outros aparelhos eletrônicos não são recomendados para o crescimento das crianças.

O mais indicado para as crianças são jogos simples e criativos, que estimulem a sua imaginação, o seu relacionamento com o meio ambiente e as pessoas à sua volta e o seu desenvolvimento cognitivo.

O estudo focou-se principalmente no aconselhamento dos pais sobre que tipo de brinquedos dar às crianças desde o nascimento até a idade escolar:

“Os brinquedos evoluíram ao longo dos anos e os anúncios podem dar aos pais a impressão de que os brinquedos com uma plataforma virtual ou digital são mais educacionais, mas a investigação diz-nos que os melhores brinquedos não têm necessariamente de ser chamativos e caros. Os brinquedos tradicionais são, na realidade, melhores que os digitais.”

De acordo com os pediatras americanos, os melhores brinquedos são aqueles que juntam pais e filhos em interações e simulações.

“Não existe a mesma satisfação com um celular. É quando as crianças brincam com os seus pais que acontece a verdadeira magia, estejam elas fingindo ser personagens ou a resolver um quebra-cabeças juntos”, dizem os especialistas.

Assim, não restam dúvidas: o mais saudável para as crianças é brincar com puzzles, resolver problemas, criar histórias, fazer teatros e exercícios físicos para desenvolver as suas capacidades motoras, linguísticas, matemáticas e cognitivas e também a sua consciência espacial.

Pais, não deixem os vossos pequenos manusear smartphones ou tablets ou quaisquer outros aparelhos desde cedo. É importante incentivá-los a usar brinquedos e jogos educacionais ou sociais, pois isso será determinante na formação da sua personalidade futura.