Mulher luta durante anos para adotar duas irmãs pequenas que ansiavam por uma família

Desde pequena, Kim Lacefield sonhava em ser mãe adotiva. Pensar nas crianças sem família era algo que fazia ter pesadelos e sabia que, quando crescesse, faria tudo o que estivesse ao seu alcance para ajudá-los.

Kim se tornou adulta, casou-se e teve cinco filhos biológicos que os ama de todo o coração. À medida que seus filhos cresciam, Kim pensava em adotar.

'

Ela pensou que a melhor maneira de começar seria fornecer um lar temporário. Foi assim que entrou em sua vida uma doce garotinha que mais tarde se tornaria sua filha. Ela foi designada para cuidar de uma menina de 5 anos de idade que teve um passado difícil.

Nas últimas seis semanas, tinha estado em 5 casas diferentes e na última teve que dormir no chão.

A menina tinha muitos piolhos e veio a Kim com as roupas dentro de um saco do lixo. Meia hora depois de chegar, a menina estava gritando e tentando fugir de casa.

“Ela costumava ter que dormir no chão””, lamentou Kim sobre a última casa que a menina permaneceu.

Kim teve que persegui-la sob o olhar atônito dos vizinhos, e tudo porque a garotinha se recusou a tirar os piolhos.

Foi um caminho difícil. Na escola, os professores ficaram escandalizados com o seu comportamento. Ela não sabia ler e a consideravam em enorme desvantagem com todas as crianças de sua idade.

Mas Kim trabalhou de mãos dadas com os professores e com muita paciência eles tiveram resultados maravilhosos.

Apenas uma semana depois de cuidar dela, Kim recebeu um telefonema pedindo-lhe que cuidasse também de sua irmã mais nova.

“Tinha dois anos de idade. Ela tinha vivido com um parente. Ela entrou com um braço quebrado e contusões. Ela estava muito assustada até que viu uma foto de sua irmã em casa”, lembrou Kim do momento em que conheceu a irmã mais nova.

A mãe das meninas se manteve em contato com elas por um tempo. Ela esteve em internada em reabilitação várias vezes e depois de um tempo decidiu desistir de seus direitos parentais.

“Meu principal objetivo é levá-las de volta para casa dos seus pais. Mas se isso não for possível, então adotamos. Muitos me dizem que não seriam capazes de manter contato com os pais biológicos, mas as crianças precisam saber que são amadas por eles”, explicou Kim.

O pai está na prisão cumprindo uma pena de 13 anos, mas pediu para manter seus direitos. Kim se esforça para apoiá-lo também, pois sente que é vital que elas continuem a se comunicar e a se sentir amadas por sua família biológica.

Finalmente, no 5º aniversário da mais nova, a adoção tornou-se oficial. As irmãs pequenas percorreram um longo caminho e estão vivendo uma vida muito feliz com a família Lacefield. Kim decidiu compartilhar sua história da adoção com todos para mostrar ao mundo como é especial dar uma nova vida às crianças que precisam desesperadamente de um lar.

Fonte: Viralistas