Médico é apedrejado por familiares de vítima de Covid-19

Foto: Reprodução

O médico Daniel Gatica, que trabalhava como residente no hospital de Orán, Argentina, foi apedrejado por familiares de um paciente que morreu vítima da Covid-19.

Ele postou uma carta no Facebook, em de 13 de setembro, revelando os reais motivos de pedir demissão do hospital.

Leia um trecho da carta: “Hoje eu vivi, um dos dias mais triste da minha vida como profissional, hoje senti o peso dessa maldita pandemia. Hoje dia 13 setembro eu disse Basta, basta, foram 12 dias de puro estresse de só dar más notícias, de ter que estar em todo lugar, de não dormir, de comer o que vier, de não tomar água por horas e horas, de não poder ir ao banheiro porque, até o nosso espaço físico de residência, nos tiraram, espaço que os moradores montamos pintamos, acondicionamos, para ter um banho digno e para dormir numa cama deitada, quantas vezes dormi parado com o EPP posto depois de ver 32 ou 40 ou 64 pacientes da guarda.

Estou cansado de ter 3 óbitos numa tarde ou 5 numa noite e saber que nunca há cama em terapia, que estamos sozinhos, que não é preciso incomodar e arrumar-se com o que há, dias e dias de guarda em emergência Onde há mais de um mês o oxigênio é um luxo, canse-me de amarrar com fio, de fazer o impossível, de seguir protocolos que sabemos que não servem, de ter que escolher quem dar uma cama e a quem dar um tubo de oxigênio semi vazio e uma maca ou uma cadeira, cansei-me de sair as 15 e voltar as 18 e sair dois dias depois, sem ter onde tomar banho nem trocar, total SOMOS RESIDENTES, tudo pra quê?

Para receber isto… uma agressão física e à alma de uma sociedade hipócrita e injusta que quando se tinha que cuidar, tudo era dane e dane, e hoje choram aos seus mortos e reclamam atenção…”

Fonte: BBC