Estudo determina que o cheiro dos recém-nascidos é viciante para as mães

Já foi comprovado que quando uma mãe coloca seu bebê em seus braços há várias reações biológicas naturais ligadas as funções maternas, mas não se sabia que o cheiro de um bebê poderia criar em uma mulher o mesmo vício que alguém dependente de droga experimenta.

O cheiro de um bebê recém-nascido serve para que a mãe e a criança conectem-se de uma maneira química, levando ao cérebro a mesma sensação de comer quando você está com fome ou fazendo sexo.

De acordo com o Dr. Johannes Frasnelli, da Universidade de Montreal, o que se mostrou pela primeira vez com esta pesquisa “é que o cheiro do recém-nascidos ativa uma parte do sistema neurológico nas mães”.

“Estes circuitos são ativados especialmente quando você come depois de ter muita fome, mas também quando um viciado consome drogas. É onde reside o desejo e o sentimento de saciedade”, diz o Dr. Frasnelli.

Johannes Frasnelli e seus colegas fizeram um exame cerebral de dois grupos de 15 mulheres, um de mães recentes e outro composto de mulheres sem filhos, para saber as reações que sofriam quando em contato com roupas de recém-nascidos.

“A reação no cérebro observado foi semelhante, tanto no grupo de mães com filhos recentes quanto no grupo daquelas que nunca tiveram filhos. Apenas um mecanismo que carrega uma certa recompensa, como a comida ou a satisfação de cumprir um desejo, provoca essa ativação no cérebro”, diz o estudo publicado.

O estudo mostrou que o cheiro dos recém-nascidos tem um papel decisivo no desenvolvimento de respostas motivacionais e emocionais, e que atua como um intermediário entre mãe e filho. Ajuda no desenvolvimento de funções maternas, como amamentação e proteção.

Não se sabe se essa reação é específica das mães, já que os homens não faziam parte do experimento.